O trabalho do cuidador é feita de amor

Rate this post

Cuidar é uma tarefa que devemos assumir quando um ente querido está doente e requer nossa atenção, é por isso que devemos desenvolver com muita compreensão e amor.

Compartilhamos a experiência de Luísa Fernanda Praça, que nos conta como sua obra se tornou uma prática feita de amor.

“Em alguma oportunidade já havia expressado o meu interesse em compartilhar com vocês e com todos os usuários do os produtos TENA minhas experiências como cuidadora. Acredito que quando uma pessoa está em fase inicial de uma doença, em especial as de demência, seus familiares acreditamos loucos sem saber o que fazer com o seu cuidado.

A chave é o amor, a paciência e o respeito por essas pessoas, que em outros tempos foram o motor e o apoio da família. Quando estão doentes, não podemos deixá-los abandonados, como se deixa de lado um acessório que passou de moda.

A minha mãe foi diagnosticada com o mal de Alzheimer em fevereiro de 2002, e tenho cuidado durante todos estes anos. Me sinto feliz e grata a Deus que me escolheu entre 8 irmãos para este trabalho.

Falsas crenças

Acreditamos erroneamente que:

  • Como já não se entende nada, não tem sentido falar-lhes e consentirlos
  • Ao estar longe da sociedade e por isso difícil, que é o seu arranjo pessoal, não é necessário bañarlos, lavar os dentes e colocar sua melhor roupa
  • Como você tem que gastar muito tempo e energia alimentando-os , para que insistirles
  • Acreditamos que vivem em outro mundo, para que os acompanham e os tomamos de suas mãos com a intenção de que elas se vão e seus medos

Dar-lhes amor

Em busca de sua qualidade de vida, devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para atender às suas necessidades e oferecer-lhes uma vida mais tranquila:

  • Fazer com que as instituições de saúde forneçam os medicamentos e insumos necessários para seu bem-estar
  • Continuar espirituais e protegendo-os, como o faríamos com qualquer membro da família
  • Tê-los em um ambiente limpo, tranquilo e com música
  • Ter conversas com eles e expressar nossos sentimentos
  • Ler em seus rostos as manifestações de desconforto ou de dor, que eles não sabem expressar
  • Estar atentos a qualquer sinal de alarme que nos indique uma possível doença ou infecção
  • Garantir que estejam rodeados de seus “tesouros”, a única ponte que têm com o seu passado
  • Devolver o tempo com eles, e lembrar

Meu sonho

“Desejo que todas as pessoas da terceira idade tenham o necessário para viver seus últimos anos sem esforço. Não os deixemos esquecidos no último canto da casa e menos em locais onde não conhecem ninguém. Também devemos deixá-los desfrutar de suas coisas, como o travesseiro, a cama e tudo aquilo que para eles representa o último tesouro.

Nossos entes queridos precisam que lhes demos uma mão e lhes oferecermos todos os nossos cuidados. Assim como eles costumavam fazer quando éramos pequenos e indefesos e nos tendiam a sua mão para evitar que tropezáramos, para nos ensinar a nos alimentar ou para proteger-nos dos perigos quando tínhamos medo.

Eu acho que você tem que tentar até o fim para garantir a nossos seres queridos qualidade de vida, evitando a todo custo a indiferença e o esquecimento.”

Luisa Fernanda Praça, de Buriticá, escreveu a nossa linha de atenção, manifestando o seu interesse de gente a sua experiência como cuidadora. Fazemos um reconhecimento do seu trabalho com o presente artigo e convidamos a você para que você nos conte a sua experiência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *