10 regras para um divórcio quase perfeito

Rate this post

Em Portugal ocorreram nos três primeiros meses do ano 31.694 separações e divórcios, de acordo com os dados publicados pelo Conselho Geral do Poder Judicial. Como obter o divórcio sofrendo o menos possível? Um divórcio bem sucedido você pode conseguir, se você conta com a preparação adequada. As chaves que se propõem a seguir, que incluem os domínios emocional e legal, ajudá-lo nesta tarefa.


1. Reflita bem antes de pedir o divórcio


Já não aguento! Eu divórcio! Antes de chegar a esta decisão e para começar com as formalidades de um divórcio, é importante tê-lo pesados e refletir. Às vezes, as terapias de casal ajudam a evitar a ruptura matrimonial, como fazem também as separações, que não acabam com o casamento e favorecem a reconciliação.

Imagem: Matvevna

2. Concentrar-se no presente e futuro, sem procurar culpados


Enquanto se está a passar um mau momento, é muito difícil pensar no hoje e o amanhã, principalmente se a separação foi traumática. No entanto, “remover continuamente o passado e procurar culpados do divórcio, não conduz a nada, não dá uma solução construtiva para o problema”, esclarece a psicóloga Ana Rufo.


3. Saber ceder para ganhar tranquilidade


Para ter um divórcio sem problemas há que saber ceder e “ter claro que não vão ganhar todas as batalhas”, diz a advogada Joana Cortez. Por isso, há que priorizar e “desgastar-se apenas o que for essencial”.


4. Mútuo acordo: sempre é a melhor opção


As rupturas de mútuo acordo, são a melhor opção, pois favorecem o clima de diálogo e facilitam que o divórcio seja ágil e simples. Mais ainda no caso de que tenha filhos, pois se cria um ambiente mais favorável e, além disso, permite que se assuma melhor e com mais rapidez a nova situação.


5. Fazer uma análise realista da situação financeira


A separação e partilha de bens é sempre um tema delicado, em caso de separação. É muito apropriado, portanto, fazer uma lista detalhada e realista, com todas as finanças compartilhados (contas, dívidas, etc.), bem como as necessidades econômicas que terão mais tarde.


Não há que esquecer que “quando o casal está unida reduz os custos de moradia, fornecimento de equipamentos, carro… mas estes aumentam muito quando os cônjuges se separam”, aponta a advogada. Por isso, deve-se analisar bem o estado das contas para poder negociar os acordos.


6. Ter toda a documentação em ordem


Um processo de divórcio requer vários procedimentos, o que implica ter em ordem muitos documentos. Quando mais “papelada” se tenha corrigido, mais facilitará o trabalho dos advogados que tratam do processo.

Imagem: photographee.eu

7. Se há filhos, há que tê-los sempre presentes


Seja qual for a sua idade, os filhos nunca devem ser os últimos a ser informados do divórcio de seus pais. Além disso, há que respeitar a ex-parceiro e lembre-se que é a mãe ou o pai das crianças. Por isso, não há que falar depreciativamente dele ou dela, ou de seus familiares, diante dos pequenos. Os menores, além disso, devem ser capazes de “sentir-se livres para manter o relacionamento com seus avós, tios, etc., apesar da ruptura do casal”, explica a psicóloga.


8. Recorrer a bons profissionais: advogados e mediadores


Para que o divórcio seja um sucesso é importante cercar-se de profissionais competentes e preparados. Há que ouvi-los, deixar-se guiar por eles-eles não estão envolvidos emocionalmente, e podem ver com mais lucidez a situação – e não haveria falsas expectativas. Também é muito importante o trabalho dos mediadores, que tentam sempre que as duas partes ganhem, sem que haja um lesado.


9. Criar uma equipa de pessoas de apoio


É importante cercar-se de um grupo que presta apoio emocional e ajuda a relaxar o ambiente, pois o divórcio é uma situação muito dura e que pode prolongar-se no tempo. Os pais, os irmãos e os amigos são essenciais neste momento.


10. Como fazer mudanças nesta nova vida? Sim, mas sem exageros


Tenho que utilizar? Como mudar a casa e virar a página? Por que não? É importante assegurar a paz e iniciar uma nova vida. No entanto, se o trabalho ou os filhos impedem uma mudança de cidade ou casa, você pode mudar a decoração, remover objetos que tragam lembranças ruins, etc. para poder começar de novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *